História do Carnaval

O Carnaval é uma festa popular que ocorre em regiões católicas, no entanto suas origens são obscuras

História do Carnaval
Ele é um conjunto de festividades de caráter popular, que acontecem em todas as regiões católicas nos dias que antecedem o começo da Quaresma. Embora tenha como cases as música, a dança e o disfarce, a festa tem características diferentes em cada lugar onde se popularizou.


Origem da palavra “carnaval”


A origem da palavra “carnaval” é incerta, apesar de ser encontrada ainda no latim medieval como carnem levare ou carnelevarium, termos registrados nos séculos XI e XII, com o significado da véspera da abstinência da carne durante o período da

Quaresma. A própria história do carnaval tem aspectos obscuros; provavelmente surgiu de um festival religioso primitivo, que comemorava o início de um ano novo e o ressurgimento da natureza. No entanto, existem referências que afirmam que as primeiras manifestações apareceram em Roma, no período dos césares, conectadas às saturnálias, que tinha caráter orgíaco. Há ainda quem diga que o Carnaval tenha origens na Grécia Antiga, nos festejos que honravam a colheita, já que o rei Momo é uma das formas do deus Baco, patrono do vinho e do seu cultivo.

Primeira festa de Carnaval no Brasil


No Brasil, a primeira festa de Carnaval ocorreu em 1641, em homenagem a Dom João IV, promovida pelo governador Salvador Correia de Sá e Benevides. No século XVII chegou ao país o entrudo, um precursor do Carnaval, vindo da Ilha de Açores; uma festa bastante violenta.

O uso de fantasias teve início em 1870, com muito sucesso até o início da década de 1950. A partir de 1930, entrou em declínio, devido ao aumento do preço dos materiais para a confecção dos trajes. Os disfarces começaram a ser reduzidos, em nome da liberdade de movimentos e do calor do país tropical. As fantasias mais famosas da época do Império e início da República, como a caveira, o velho, o burro, o doutor, o pai João, o mandarim, o rajá e o marajá, foram desaparecendo. O mesmo aconteceu com as fantasias clássicas da commedia dell’arte italiana, como o pierrô, o arlequim, a colombina e o dominó. A partir de 1685, o uso de máscaras nas ruas e nos salões era ora proibido, ora permitido.

Diferentes tipos de carnaval


Hoje, a festa que acontece no país inteiro se dá nas mais diferentes manifestações, seja nos bailes, nas festas de rua, nas festas mais tradicionais. A fantasia não pode faltar. Há quem compre ou alugue sua fantasia, mas também tem quem prefira inventar a sua. E haja criatividade! É possível observar por todo Brasil um verdadeiro desfile de originalidade. Entre as fantasias mais populares é possível observar melindrosas, odaliscas, ciganas, havaianas, super heróis e heroínas, e mais uma infinidade de idéias. Quem não consegue pensar em algo criativo para vestir pode optar, além de outros adereços, pelas máscaras, disponíveis nos mais diferentes modelos, dos mais clássicos e sofisticados aos mais irreverentes. Este ano, um modelo que promete aparecer bastante é o que imita o rosto no novo presidente americano, Barack Obama. E se o problema é economizar, é possível criar a própria fantasia em casa, montando looks coloridos e divertidos, cheios de brilho com materiais acessíveis e fáceis de encontrar. Clássicas, tradicionais, criativas, estranhas, engraçadas... Não importa! O que realmente interessa é que as fantasias não podem faltar na hora de curtir as festas de Caranaval!

Manuela Casali Cordeiro
Redação

História do Carnaval

Deixe seu comentário

(Não divulgado)


Informe os numeros:





"As imagens presentes nesta matéria são reproduções de materiais já existentes. Caso tenha algum direito sobre as mesmas, entre em contato conosco para incluir os créditos ou solicitar a retirada."

FIQUE POR DENTRO