Charles Frederick Worth

1825/1895

Charles Frederick Worth nasceu em Bourne, na Inglaterra, e aos 12 anos já trabalhava em uma loja de cortinas em Londres. Com 20 anos, em 1845, Worth foi para Paris, tornando-se vendedor da Maison Gagelin.
Cinco anos mais tarde, ele abria um departamento de costura na loja e em 1858, associando-se a Otto Bobergh, negociante sueco, criou seu próprio salão. Não demorou muito para que se tornasse o costureiro predileto da imperatriz Eugênia, mulher de Napoleão III, o que lhe abriu as portas do sucesso.

Por volta de 1860, ele lançou o vestido-túnica, que ia até os joelhos e era usado sobre uma saia longa. Quatro anos depois, deixando de lado as armações das saias da época, chamadas de crinolinas, elevou a altura das saias na parte de trás, criando ao mesmo tempo uma cauda. Em 1869, tornou a cintura feminina mais alta, e recriou as anquinhas.

Com a queda do Segundo Império, em 1870, Worth perdeu por conseqüência de sua principal cliente, decidindo, então, fechar sua casa. Voltou a reabri-la um ano depois, e mesmo com uma compreensível queda nos negócios, continuou a ser o preferido das celebridades da época, entre as quais a atriz Sarah Bernhardt e Eleonora Duse. E continuou, também, a inovar em suas criações, abolindo o excesso de ornamentos e usando tecidos de grande qualidade e especial beleza, sempre na tentativa de redefinir de maneira mais simples, e mais elegante, a silhueta das mulheres.

Sua Maison, depois de sua morte, foi dirigida pelos filhos Gaston e Jean-Philippe, junto com outros descendentes, até ser comprada, em 1954, pela casa Paquin.
FIQUE POR DENTRO