10 dicas para enfrentar o outono com saúde

                                   

Doenças e alergias são características desta estação, que precisa de alguns cuidados básicos

10 dicas para enfrentar o outono com saúde
O outono é um período de temperatura variante. Há dias em que teremos calor escaldante e outros com clima mais ameno. Também, neste período existe a baixa humidade do ar, que propicia doenças alérgicas e respiratórias, especialmente em crianças. As menores de cinco anos sofrem mais e precisam de cuidados redobrados nesta época para garantirem dias alegres e noites saudáveis.

Saiba mais sobre o outono
O início do outono acontece entre os dias 20 e 21 de março no Hemisfério Sul e trata-se de um período de transição do verão para o inverno. Tem como característica os dias serem mais curtos e as noites mais longas, baixa umidade do ar, nevoeiros pela manhã, incidência de ventos e variações climáticas consideráveis em um período curto de tempo, por exemplo, em um único dia a temperatura cair gradativamente ou dentro de uma mesma semana fazer calor e frio.

10 dicas de como enfrentar o outono com saúde


1) Ambientes:
Ambientes limpos. Foto:Divulgação

Ambientes limpos. Foto:Divulgação


Mantenha os locais arejados com as janelas abertas para renovação do ar e os ambientes limpos, preferencialmente com água e panos úmidos – evite vassouras, se possível, para não levantar pó. Evite acumulo de brinquedos e ou objetos no quarto e locais onde as crianças costumam ficar. Tapetes e cortinas podem ser retirados circulação para evitar alergias e doenças respiratórias. Evite ficar períodos longos em locais fechados (cinemas, shoppings, salões, etc.) com o propósito de evitar o contágio de doenças virais e bacterianas comuns do outono.

2)Higiene:
Higiene. Foto:Divulgação

Higiene. Foto:Divulgação


Recomenda-se que as crianças (e os adultos também) lavem as mãos com frequência para evitar contaminação e contágio de doenças respiratórias e gastrointestinais, especialmente após o uso do banheiro. Os brinquedos também merecem atenção, assim como os objetos de uso diário, devido a probabilidade de maior incidência de pó.

3)Vacinação:
Vacinação. Foto:Divulgação

Vacinação. Foto:Divulgação


Nesta época do ano é importante estar com todas as vacinas em dia, pois existem muitas doenças virais no ar e podem ser transmitidas e contagiar àqueles que ainda estão desprotegidos. Para quem pode, é essencial aderir à vacina da gripe – existe aplicação na rede pública para determinados públicos e na rede particular também, com custos variados.

4)Alimentação:
Alimentação. Foto:Divulgação

Alimentação. Foto:Divulgação


A base da imunologia do nosso corpo também está alicerçada na alimentação e, devido a isso, é importante manter refeições equilibradas para garantir uma saúde “de ferro’, especialmente para as crianças. Como dica, sugiro que os pais optem por alimentos orgânicos e saibam a procedência (se possível), evitem produtos industrializados e deem preferência por sucos naturais e ou água para hidratação do corpo. Lembre-se que estamos em período de clima mais frio e as crianças precisam se hidratar. Em dias com temperatura mais amena, opte por sopas e caldos com legumes, proteínas e verduras.

5)Roupas:
Roupas. Foto:Divulgação

Roupas. Foto:Divulgação


Como no outono existem variações climáticas, nunca sabemos ao certo como nos vestir no período de uma semana, por exemplo. Haverá dias que serão mais quentes e outros mais frios, ou ainda dias que mesclam as duas temperaturas. O mais importante é garantir vestes apropriadas para evitar exposição errada a qualquer um dos dois climas. Opte por materiais que não provoquem alergia nas crianças e as deixem confortáveis. Lembre-se: a beleza das roupas não é mais importante do que a segurança e comodidade.

6)Friagem:
Friagem. Foto:Divulgação

Friagem. Foto:Divulgação


Como dito antes, nos dias mais frios evite deixar a criança sem roupas apropriadas. Se necessário use luvas, cachecol e toucas para protegê-las melhor. Use filtro solar e hidratante todos os dias, pois são importantes para manter a pele hidratada. Para os lábios, opte por protetores adequados para cada faixa etária – solicite indicações da pediatra e ou especialista.

7)Na Escola:
Escola. Foto:Divulgação

Escola. Foto:Divulgação


Ao primeiro sinal de doença infectocontagiosa, não envie a criança para a escola. Caso tenha algum coleguinha que esteja doente e seu filho tenha tido contato direto, fale com o pediatra sobre como proceder. Também, recomende aos professores e cuidadores que se certifiquem das condições de higiene (pó) nos locais fechados e com os brinquedos compartilhados. Todo cuidado é pouco para evitar a proliferação de doencinhas.

8)Doenças:
Doenças. Foto:Divulgação

Doenças. Foto:Divulgação


As principais doenças que afligem as crianças nesta época do ano são as inflamatórias e alérgicas: asma, bronquiolite, bronquite, resfriado, gripe, laringite e pneumonia. Em todas essas enfermidades, o mais importante é perceber os primeiros sinais como, por exemplo, febre, calafrios, apatia e dores no corpo e falar com o pediatra de rotina e solicite consulta de avaliação o quanto antes. Procure o pronto socorro infantil somente nos últimos casos, quando não se pode falar com o médico e ou para uma emergência, pois a criança ficará exposta a outras doenças enquanto aguarda atendimento no PSI. Siga corretamente as indicações e recomendações de cuidados ofertados pelo médico e não se baseie em relatos de pessoas que vivenciaram situações similares. Cada criança é única e precisa de atendimento personalizado. O que funciona para uma criança pode não ser o recomendado para outras. Caso a criança já esteja doente e apresente sinais de febre, cansaço e apatia, além dos cuidados médicos, é importante deixá-la em repouso por alguns dias para sua reabilitação.

9)Automedicação:
Automedicação. Foto:Divulgação

Automedicação. Foto:Divulgação


Nunca automedique seu filho e filha mesmo que apresente sintomas similares a doenças que adquiriu antes. As bactérias são resistentes e ao medicar inapropriadamente uma criança ou adulto doente podemos, ao invés de curar, proporcionar o crescimento da doença e evolução para a superbactéria. Siga o protocolo indicado pelos especialistas, sobretudo pelo pediatra de rotina da criança, que já conhece o histórico do paciente, assim como reações alérgicas e outras possíveis reações.

10)Sem neurose:
Sem neurose. Foto:Divulgação

Sem neurose. Foto:Divulgação


Embora o outono seja um período de transição entre o verão e o inverno, com climas mesclados entre as duas estações, não podemos privar as nossas crianças de uma vida normal. Leve-as aos parques públicos em dias favoráveis, divirtam-se bastante e aproveite os cobertores nas noites mais frias para assistir um bom filme comendo pipoca! Bom outono para todos!

Dra. Priscila Zanotti Stagliorio

10 dicas para enfrentar o outono com saúde

Deixe seu comentário

(Não divulgado)


Informe os numeros:





"As imagens presentes nesta matéria são reproduções de materiais já existentes. Caso tenha algum direito sobre as mesmas, entre em contato conosco para incluir os créditos ou solicitar a retirada."

FIQUE POR DENTRO

SHOPPING

Fique por dentro

Receba dicas de moda,saude e beleza