Salto Alto é um convite para Hérnia de Disco

                                   

Mudança de hábitos e tratamento convencional são saídas para quem já sofre com a doença

Salto Alto é um convite para Hérnia de Disco
Em nome da vaidade, muitas mulheres não abrem mão do salto alto e acabam pagando um alto preço por isso. A postura exigida para “manter-se no salto” pode levar a problemas na coluna como a Hérnia de Disco, é o que esclarece o fisioterapeuta e fundador do Instituto do Tratamento da Coluna Vertebral, Helder Montenegro. Segundo o IBGE, a hérnia de disco atinge cerca de 5,4 milhões de pessoas no Brasil.

O uso do salto alto exige mudanças posturais ao pisar. Os pés ficam em posição de flexão plantar (ponta do pé). Com a mudança do eixo de gravidade mais anteriorizado, a base de apoio diminui na região do calcanhar, centralizando a sustentação do peso na região dos dedos dos pés.

“O salto alto é um veneno para a coluna feminina, pois provoca mudanças na angulação do cérvix do fêmur, que tende a pressionar a cartilagem do acetábulo e, com o tempo, desgastá-la causando deformidades, descontrole postural e mudanças na marcha”, explica Helder Montenegro, fisioterapeuta e fundador do Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral.

Estou com Hérnia de Disco, e agora?
Muitas mulheres acometidas pela doença têm dúvidas em relação ao melhor tipo de tratamento. Há dados que indicam que apenas 5% das hérnias precisam de cirurgia. O tema tem gerado grande polêmica, pois muitos profissionais da saúde têm indicado cirurgia na maioria dos casos. Embora, diversos estudos apontem o tratamento convencional com fisioterapia, medicamentos e exercícios, como um dos melhores para o tratamento da hérnia de disco.

Um estudo publicado no Arch Phys Med Rehabil*, avaliou 581 pacientes, entre homens e mulheres, e os dividiu em 3 grupos: Grupo A: Pacientes que foram recomendados para cirurgia (N=62); Grupo B: Pacientes que foram recomendados para cirurgia, desde que os sintomas persistissem (N=74); e Grupo C: Pacientes com lesões estruturais sugestivas de cirurgia (N=445). Após 1 ano do programa de exercícios, a cirurgia foi evitada nas seguintes porcentagens: Grupo A: 92 %, Grupo B: 83% e Grupo C: 93 %.

“O resultado do estudo citado é um indicativo importante para o investimento em tratamento tradicionais e continuados. No Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral, temos conseguido resultados equivalentes a 87% dos casos resolvidos por meio da Reconstrução Músculo-Articular da Coluna Vertebral - RMA Vertebral”, explica Helder Montenegro. “Claro que isso só é possível se houver o comprometimento do paciente na manutenção do tratamento, ou seja, fazer exercícios como musculação e Pilates. E no caso das mulheres, evitar o uso contínuo do salto alto.”

A técnica do RMA Vertebral une o trabalho da fisioterapia manual com a tecnologia das mesas de tração e descompressão e do Stabilizer - equipamento que condiciona o paciente a usar o músculo transverso do abdômen, e exercícios de musculação. A união de todos esses fatores permite que a paciente não tenha mais dor e inicie um trabalho focado no fortalecimento dos músculos posturais.

“O que falta no Brasil é uma maior integração entre médicos e fisioterapeutas, melhor consciência por parte dos cirurgiões, mais auditoria médica e melhor remuneração para os tratamentos alternativos que tenham comprovação científica. Por isso, eu acredito que se houvesse uma parceria entre as duas especialidades, muitos pacientes não sofreriam tanto por causa das hérnias de disco.”

www.herniadedisco.com.br.

Sobre o ITC Vertebral
O Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral, fundado pelo professor de pós-graduação e fisioterapeuta Helder Montenegro, oferece a técnica exclusiva de “Reconstrução Músculo-Articular da Coluna Vertebral - RMA da Coluna Vertebral”, que utiliza técnicas da Fisioterapia Manipulativa, Mesa de Tração Eletrônica, Mesa de Descompressão Dinâmica, Estabilização Segmentar Vertebral e exercícios de musculação. Com o reconhecimento e o respeito de fisioterapeutas no mundo inteiro, a técnica tem ganhado espaço no mercado brasileiro devido ao elevado índice de bons resultados para pacientes que sofrem de dores nas costas. O ITC Vertebral possui clínicas em Fortaleza, Sorocaba, São Paulo - Itaim Bibi e Granja Viana, Manaus, Santos, Rio de Janeiro, Natal, Vitória e São Luís.

Bibliografia
* Nelson BW, Carpenter DM, Dreisinger TE, Mitchell M, Kelly CE, Wegner JA. Can spine surgery be prevented by aggressive strengthening exercises? Aprospective study of cervical and lumbar patients. Arch Phys Med Rehabil.1999;80:20-25.
*http://www.fisionet.com.br/materias/interna.asp?cod=286
Informações e imagens para a imprensa:
Danielle Flöter
Rua Moacir Piza, 56 - Jardins
11 2308-7250/ 3085-6583
11 7871-1869/ 7694-6678
Nextel: 84*71771
www.flotereschauff.com.br

O meu objetivo nesta matéria é relatar sobre Salto Alto é um convite para Hérnia de Disco e tambem tirar suas duvidas, se está a procura de informação ou como encontrar o produto ou telefone de contato de empresas sobre: quem tem hernia de disco pode usar salto , quem tem hernia de disco pode usar salto alto , sapatos para quem tem hernia de disco , quem já fez cirurgia na coluna pode usar salto alto , hernia de disco e salto alto , quem tem hérnia de disco pode usar salto , salto alto e hernia de disco , sapato adequado para quem tem hernia de disco cervical , disco desidratado pode usar salto alto , depois de quanto tempo pode usar calçados de salto após cirurgia de hérnia de disco? ,

Salto Alto é um convite para Hérnia de Disco

Deixe seu comentário

(Não divulgado)


Informe os numeros:





  • gostaria de saber se usando salto 8cm durante o meu expediente de trabalho posso ter hernia de disco, trabalho 6 horas por dia em pé. grata

    carina alexandrino

  • olá gostaria de saber, qual o tamanha ideal do salto para quem tem hérnia de disco. grata

    kÁtia

"As imagens presentes nesta matéria são reproduções de materiais já existentes. Caso tenha algum direito sobre as mesmas, entre em contato conosco para incluir os créditos ou solicitar a retirada."

FIQUE POR DENTRO