Alcoolismo x Terapia Nutricional

Dificilmente, pessoas que abusam ou são dependentes alcoólicos conseguem manter um bom padrão nutricional.

Alcoolismo x Terapia Nutricional
Beber socialmente é um argumento que diz pouco a cerca do consumo do álcool de uma pessoa. De acordo com o Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo – GREA – cerca de 15% da população brasileira consome álcool de maneira abusiva. “Descrever os volumes alcoólicos toleráveis ou de risco tem pouca importância na prática clínica, uma vez que as conseqüências deletérias do uso do álcool ocorrem também em pessoas que ingerem quantidades bem inferiores àquelas que indicam abuso ou dependência”, afirma a médica nutróloga Ellen Paiva, diretora do Citen, Centro Integrado de Terapia Nutricional.

Algumas pessoas já colocam a saúde em risco, ingerindo volumes alcoólicos considerados pequenos, como quatro doses para um homem, e três para uma mulher, em uma única ocasião. Outras pessoas toleram grandes volumes de bebida alcoólica, sendo mais susceptíveis ao abuso e à dependência. “Muito ou pouco, os estudos epidemiológicos indicam que as seqüelas do alcoolismo representam a quinta causa mais freqüente de doenças no mundo”, observa a médica.

Os efeitos deletérios do consumo crônico do álcool são bem conhecidos, mas mesmo assim, episódios agudos de intoxicação alcoólica são emergências médicas comuns nos prontos socorros. “Altos níveis de álcool no sangue podem deprimir o Sistema Nervoso Central e causar perda da consciência, baixa da pressão arterial e da temperatura corporal, baixa dos níveis de açúcar no sangue, depressão respiratória, coma e morte”, enumera Ellen Paiva.

Cronicamente, o álcool pode causar várias doenças e incapacitações, que abrangem doenças do trato gastrintestinal - esofagites, gastrites, doença do refluxo gastro-esofágico, hepatite e cirrose hepática - doenças cardiovasculares – geralmente, desencadeadas pela hipertensão arterial e pela elevação do colesterol induzidos pelo álcool - osteoporose e vários tipos de câncer. “Nesse contexto, a desnutrição é uma característica comum a todos elas, agravando, ou, na maioria das vezes, sendo o fator patológico causal das várias doenças relacionadas ao uso crônico do álcool”, diz a médica nutróloga.

Principais carências nutricionais relacionadas ao alcoolismo
Dificilmente, pessoas que abusam ou são dependentes alcoólicos conseguem manter um bom padrão nutricional. “A desnutrição relacionada ao abuso do álcool ocorre por várias causas: ingestão insuficiente de alimentos, dificuldade de absorver os alimentos ingeridos, perda de proteínas pelo intestino e redução da síntese de proteínas pelo fígado. Dentre todas essas alterações, as dificuldades na ingestão adequada de alimentos é um dos mais importantes fatores que levam à desnutrição”, explica Ellen Paiva.
Nesses pacientes, a presença de etanol no organismo está relacionada à falta de apetite e isso ocorre por vários motivos. Um deles é o fato de que o álcool não é apenas uma substância psicotrópica, é também fonte calórica – 1g de álcool fornece 7 calorias – chegando a suprir, em grandes ingestões, 50% das necessidades calóricas diárias, sem nenhum traço de nutrientes em sua formulação. Além disso, as queixas de falta de apetite e náuseas ocorrem, respectivamente, em 87% e 55% desses pacientes. “Algumas deficiências nutricionais são particularmente preocupantes no paciente que abusa do álcool: a desnutrição protéica, as deficiências de vitaminas A, C, D e do complexo B, magnésio e zinco”, diz a médica.

A desnutrição protéica é uma característica importante do consumo crônico e inadequado do álcool. Na maioria das vezes, há perda de peso, com redução da massa muscular, alterações de pele e cabelos que sugerem redução do aporte protéico. “Esses efeitos, assim como os demais déficits nutricionais relacionados ao alcoolismo, são mais graves, quanto maiores forem os níveis de ingestão do álcool e pior o padrão alimentar. A orientação nutricional para esses pacientes baseia-se em uma dieta balanceada e não há indicação de suplementos protéicos ou dieta com maiores quantidades de proteínas do que as recomendações normais”, explica Ellen Paiva.


Deficiência das vitaminas do Complexo B
(1) Tiamina – sua deficiência é muito comum em alcoolistas e pode causar complicações graves como doença neurológica incapacitante, cardiopatia grave e doença dos nervos periféricos, com formigamentos e dores em queimação, fraqueza das extremidades inferiores e até perda da sensibilidade das pernas. “A tiamina deve ser administrada a todos alcoolistas por várias razões: a sua deficiência é muito comum nesses pacientes, o diagnóstico laboratorial é difícil de ser realizado, a suplementação da vitamina é fácil e segura e, muitas vezes, é preciso reverter a doença neurológica em fase inicial”, diz a nutróloga.

(2) Niacina – a carência dessa vitamina é a responsável pelas lesões de pele e de mucosas tão comuns em alcoolistas. A pele sofre pigmentação e descamação das lesões, principalmente nas áreas expostas ao sol. A deficiência de niacina também pode causar quadros de demência. “A abstinência do álcool e uma alimentação equilibrada são suficientes para a recuperação rápida das manifestações dessa deficiência”, explica a médica.

(3) Ácido Fólico - a deficiência dessa vitamina só aparece nos casos de alto consumo alcoólico e deficiente ingestão do ácido fólico. “A manifestação mais comum é a anemia e o tratamento é feito através de uma dieta rica nesse nutriente”, conta Ellen Paiva.

A deficiência de vitamina A aparentemente é mais acentuada no fígado de alcoolistas crônicos e nesses casos parece não depender da ingestão da mesma. Muitos estudos científicos relacionam esse achado à maior propensão ao câncer de fígado relacionado à cirrose. “Aqui, a terapia nutricional é muito importante, porque apesar da deficiência de vitamina A ser deletéria à saúde do fígado, os suplementos desta vitamina não são tolerados pelo paciente que faz uso de álcool. Este paciente se intoxica com pequenas doses de suplementos de vitamina A. A opção é a administração de alimentos ricos nessa vitamina, como os carotenóides encontrados nas frutas e hortaliças de cor amarelo-alaranjado: cenoura, moranga, abóbora madura, manga e mamão; ou verde escuro: mostarda, couve, agrião e almeirão”, diz a médica nutróloga. Outras fontes de vitamina A são fígado, ovos, leite integral e laticínios como manteiga, creme de leite e queijo. Qualquer tentativa de reposição de vitamina A deve ser feita diante da certeza da abstinência alcóólica.

A deficiência de vitamina C é comum em pacientes alcoolistas, com ou sem doença do fígado. Sua suplementação diária pode ser necessária durante semanas ou meses para restaurar os níveis normais da vitamina.

A deficiência de vitamina D no organismo leva a redução dos níveis de cálcio no esqueleto, osteoporose e maior suscetibilidade às fraturas. “Nesses casos, pode ser indicada a exposição ao sol e uma correção nutricional associada à abstinência do álcool”, conta Ellen Paiva.

A deficiência de minerais como magnésio e zinco tem sido descrita, em alcoólatras, com manifestações de tremores, no caso do magnésio e cegueira noturna referente à falta de zinco. “A reposição vitamínica normalmente é alcançada através de fontes nutricionais, não sendo necessária a suplementação de nenhum deles, com exceção de casos muito graves, pacientes hospitalizados, quando são oferecidos esses minerais em soluções endovenosas”, explica a médica.

De uma maneira geral, a melhor proteção contra os efeitos lesivos do álcool ainda é uma boa nutrição. “Assim, a recomendação geral é a de uma dieta caloricamente adequada e que garanta as recomendações de vitaminas e minerais necessários. Enquanto isso for possível através de uma dieta balanceada, não há motivo para suplementações”, diz a diretora do Citen. Mas, à medida em que se agrava a desnutrição e há impossibilidade de se manter uma ingestão adequada de nutrientes, ou, quando se deterioram os mecanismos de absorção dos alimentos, “há necessidade de usarmos suplementos vitamínicos e, algumas vezes, a nutrição enteral ou parenteral”, afirma Ellen Paiva.


CONTATO:
www.citen.com.br
faleconosco@citen.com.br
http://twitter.com/Citensp

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO:
Márcia Wirth
Consultoria de Comunicação-Saúde
Tel: 11 93943597/37913597
saude@marciawirth.com.br
http://marciawirth.wordpress.com
http://twitter.com/marciawirth

O meu objetivo nesta matéria é relatar sobre Alcoolismo x Terapia Nutricional e tambem tirar suas duvidas, se está a procura de informação ou como encontrar o produto ou telefone de contato de empresas sobre: alimentação e alcoolismo , deficiencia de minerais em alcoolistas , deficiencia nuticional e pacientes alcoolatras artigos , desnutriçao alcoolica , dieta para alcoólatras , nutrição e alcoolismo , quais os mellores alimentos para alcolatras , alimentacao para um alcolatra , alimentacao para abstinência do álcool , alimentação de um alcoolátra ,

Alcoolismo x Terapia Nutricional

Deixe seu comentário

(Não divulgado)


Informe os numeros:





"As imagens presentes nesta matéria são reproduções de materiais já existentes. Caso tenha algum direito sobre as mesmas, entre em contato conosco para incluir os créditos ou solicitar a retirada."

Fique por dentro

Cadastre seu email e receba nossas novidades