A história do sapato

A história do sapato. Xico Gonçalves • Alguns estudos mostram que há pinturas paleolíticas em cavernas da França e Espanha indicando a ex... 3 comentários

A história do sapato

Por: Alisson Chiquitto
Portais da Moda - Historia da Moda

Moda Shopping Atacado

Xico Gonçalves

• Alguns estudos mostram que há pinturas paleolíticas em cavernas da França e Espanha indicando a existência de calçados já em 10.000 a.C. Porém, há pesquisadores que afirmam que os sapatos foram inventados na Mesopotâmia, onde atualmente fica o Iraque, há mais de 3.200 anos. Eles eram feitos de couro macio para que os antigos pudessem atravessar trilhas montanhosas.

• No Egito Antigo, entre 3.100 a.C. e 32 a.C., apenas os nobres usavam sandálias de couro. Os faraós usavam calçados deste tipo adornados com ouro.
• Os gregos, que criaram os preceitos fundamentais da civilização ocidental, mostraram vanguarda não só na filosofia, na ciência e na política, mas também na moda: estudos mostram que alguns chegaram a usar um modelo diferente em cada pé.

• Durante o Império Romano, os calçados denunciavam a classe ou grupo social do indivíduo. Os senadores utilizavam sapatos em cor marrom, em modelos que amarravam na panturrilha por quatro tiras de dois nós. Para os cônsules romanos a cor indicada era o branco. Os calçados das legiões eram as botas de cano curto. Mulheres calçavam sapatos brancos, vermelhos, verdes ou amarelos.

História dos Sapatos: Fotos do Museu do Sapato no Canadá. Foto:Divulgação

História dos Sapatos: Fotos do Museu do Sapato no Canadá. Foto:Divulgação



• Na Idade Média, a maioria dos sapatos tinha a forma das atuais sapatilhas. Eram feitas de couro. Nobres e cavaleiros usavam botas de melhor qualidade.

• O rei Eduardo (1272-1307), da Inglaterra, padronizou a numeração dos sapatos. No mesmo país, em 1642, há o registro da primeira produção "em massa" de sapatos em todo o mundo: Thomas Pendleton fez quatro mil pares de sapato e 600 pares de botas para o Exército.

• Durante a Revolução Industrial, no início no século XVIII, na Inglaterra, as máquinas passaram a produzir calçados em larga escala.

• No século XX, novos materiais, técnicas e tecidos entram na produção, que passa a ser setorizada entre design, modelagem, confecção, distribuição, entre outros setores. A necessidade dos atletas obterem um melhor desempenho em competições originou um novo segmento na indústria, voltado aos esportes, o que possibilitou a criação de tênis tecnológicos, que invadiram o vestuário de todos grupos sociais. Além disso, a explosão da moda entre o público médio, a partir dos anos 80, também possibilitou o aumento do número de pessoas que passaram a consumir calçados de grife, tanto os mais simples quanto aqueles assinados por grandes estilistas ¿ verdadeiros artigos de luxo.

Curiosidades sobre os calçados

• No século XIV, os sapatos ingleses ficaram tão pontudos que se tornaram um perigo, fazendo o rei Eduardo III baixar um decreto limitando os bicos a no máximo cinco centímetros de ponta. Ignorando a lei, os sapatos no país chegaram a ostentar até 50 cm de comprimento. Para andar, era preciso prendê-los à cintura com cordão de seda.

• Na França, no século XVI, os sapatos ficaram tão estreitos que para calçá-los os pés precisavam ficar mergulhos por uma hora em água gelada.

• Na China, o culto aos pés exigia o uso de sapatos de no máximo 15 cm. Para calçá-los, as mulheres tinham os pés praticamente amassados, enfaixados em um cilindro para não crescerem.

• Em Veneza, por volta de 1600, as plataformas ficaram tão altas que quem usasse precisava de criados para se movimentar.

Tipos de saltos

Sabrina
• Popularizados no início dos anos 60 nos pés de Audrey Hepburn no filme Sabrina, acabou associado a refinamento. Não deve passar dos cinco centímetros de altura, deve ser fino e ter o cabedal delicado.
• Altura perfeita para calças de todas as alturas (inclusive as curtas e shorts), vestidos, saias curtas, Chanel e midi.

Princesa
• Salto elegante e levemente mais grosso (de quatro até sete centímetros), confortável e adequado para o trabalho.
• Veste bem com comprimento Chanel, midi e calças convencionais.

Estaca, Anabela ou plataforma baixa
• Saltos sólidos e não muito altos e que possibilitam muito conforto.
• Ideais para o trabalho, calças convencionais e vestidos ou saias mais longas.

Stiletto ou agulha
• É o mais fino e sexy de todos os saltos, pode ter alturas de até nove centímetros. É mesmo prejudicial à saúde dos pés, mas está sempre na moda.
• Permitido para calças longas, curtas e shorts, micros e mini comprimentos e também Chanel e midi, dia e noite.
• Use em momentos em que não pretenda permanecer muito tempo em pé.
• O estilista de calçados Manolo Blahnik é considerado o rei do salto estileto.

Salto alto grosso, Anabela ou plataforma alta
• Estes formatos de salto criam melhor equilíbrio para o corpo e podem ser usados em festas (cobertos) ou esportivos com calças e saias midi e longa.

Sensível
• O salto alto tradicional com formato robusto e altura que não ultrapassa os cinco centímetros.
• Coordena bem com calças, tailleurs e saias em comprimentos tradicionais. Ideal no trabalho e passeio, pois cansa menos.

Louis XV ou carretel
• Popularizados pelos monarcas da França, este salto não ultrapassa os quatro centímetros e a forma lembra um carretel.
• Com altos e baixos na moda, encaixa bem com sapatos estilos masculinos ou mules.
• A altura é ideal para calças, vestidos e saias longas, mini e shorts.

Surgimento dos saltos

Marilyn Monroe, conhecida por se equilibrar em saltos altíssimos, sempre declarou que as mulheres deveriam agradecer a quem inventou os saltos altos. Mas essa idolatria pelos "high heels" não nasceu nos anos 50. A procura por saltos perfeitos tem atravessado séculos.
O formato estileto ou agulha, preferido da estrela e um dos responsáveis pelo seu sucesso como símbolo sensual, é um desenho novo se lembrarmos que os mais antigos saltos, descobertos em tombas egípcias, datam de 1.000 a.C.
A associação com o sensual talvez venha do fato das cortesãs japonesas que usavam tamancos com quase trinta centímetros de altura.
Os historiadores também acreditam que as prostitutas na Roma antiga se distinguiam das outras mulheres calçando saltos altíssimos.
No teatro grego, serviam para mostrar a graduação social dos personagens. Quanto mais altos, mais importante era a figura.

Importados de Paris

A invenção do salto alto próximo ao que se conhece hoje é atribuída a Catarina de Médici. Filha de uma distinta família italiana de Florença, ela foi a Paris para se casar com o futuro Henry II da França. Por ser pequena, carregou na bagagem vários sapatos feitos por um artesão italiano com saltos que a deixava mais alta.
A novidade virou moda na aristocracia francesa fazendo homens e mulheres subirem literalmente no salto durante os séculos XVII e XVIII como uma marca de privilégio social. Só os ricos e bem nascidos podiam usá-los.
Em 1800, os saltos descobriram a América, o cenário ideal para crescerem ainda mais. E o show começou nas casas suspeitas de New Orleans, que importavam garotas francesas que usavam saltos altos. O sucesso delas com os clientes foi tão grande que em 1890 a primeira fábrica de saltos de sapatos se estabeleceu em Massachusetts.
Em 1955, o desenhista de sapatos francês Roger Vivier criou para o costureiro francês Christian Dior o salto agulha, tão fino que exigia uma estrutura de ferro para não quebrar.
Desde então, para os desespero dos ortopedistas, os saltos não pararam de aumentar na importância e nos centímetros, evoluindo para muitas outras opções de design.

Os saltos do inverno 2005

• Salto rasteiro: acompanham shorts, macaquinho, calças e saias de todos os comprimentos.
• Salto grosso: combina com calças, saias longas e curtas.
• Salto agulha: compõe bem com jeans, macacões, tailleurs, saias, vestidos, calças de noite estreitas ou pantalonas e roupas alinhadas.
• Salto Anabela: cai bem com saias longas e curtas, calças e vestidos. Em modelagem mais sofisticada também acompanha tailleurs e roupas mais finas.
• Salto Sabrina: salto médio e levemente carretel. O nome vem do filme Sabrina, com Audrey Hepburn. Elegante com saias e vestidos abaixo do joelho e calças mais curtas.
• Plataforma Anabela: com solado reto ou curvo pode ser usada com todos os tipos de roupa e comprimentos.
• Plataforma Meia-pata: com meia plataforma na frente e salto grosso separados, combinam com vestidos, saias e calças.

Bicos de sapatos

A novidade é os bicos amendoados, no formato dos anos 1930 e 1940. Os bicos finos permanecem e decotes no bico aparecem como a grande novidade.

Cuidados na manutenção

Sapatos podem ser reciclados. Com capricho e uma boa tinta de calçados é possível ganhar sapatos novos com pouco investimento.
• Limpe o calçado com uma esponja seca grossa para retirar sujeiras, pó, resquícios de gordura e forçando uma porosidade na tinta antiga para a fixação da nova.
• Passe a tinta com cuidado, tentando cobrir o couro com uma fina camada sem escorrer. Deixe secar e retoque onde for preciso. Evite acumular tinta. Deixam o couro grosso e podem quebrar com facilidade.
• Passe graxa na cor nova e lustre bem.
• Para conseguir extra brilho nos calçados e bolsas, depois de engraxá-los e escová-los, aplique uma nova camada de graxa com um pano ligeiramente úmido, esfregando com movimentos rotativos. Após, dê brilho com uma meia de nylon ou pano de seda. O sapato fica novo para mais uma estação.
• Para eliminar o mau cheiro dos calçados, use regularmente desodorante para calçados ou pó anti-séptico nos pés.
• Para tirar qualquer tipo de manchas em calçados ou bolsas de camurça, esfregue o local da mancha com miolo de pão.
• Para tirar manchas de gordura: passe uma solução de quatro colheres de álcool retificado e uma colher de sal de cozinha. O que sobrar guarde em vidro bem tampado para usar quando necessário.
• Com o serviço de bons sapateiros, um calçado antigo pode receber, além de novas cores, plataformas atuais ou saltos mais modernos.

Conservando os sapatos com dicas caseiras

• Sempre novos: engraxe-os regularmente. Guarde-os bem secos e entre tiras de mata-borrão, para evitar o mofo.
• Solado: aplique óleo de linhaça antes de usar seus sapatos pela primeira vez. O solado fica mais resistente.
• Botas: guarde-as com o cano cheio de jornal amassado.
• Chuva: aplique camadas de impermeabilizante sobre o couro para que a água não penetre.
• Saches: os de cânfora ajudam a conservar as cores de seus sapatos e bolsas. • Couro duro: faça uma mistura de uma colher de bicarbonato de sódio, 100 gramas de água e uma colher de sal de cozinha. Aplique no avesso para amaciar o couro.
• Cobra: a estampa de cobra ou crocodilo fica nova ao passar uma mistura em partes iguais de glicerina e óleo de rícino.
• Lustra móvel: uma fina camada do produto deixa seus sapatos de pelica sempre novos.
• Vaselina: remove mancha de mofo do couro. Aplique e deixe de um dia para o outro.
• Gordura: ponha talco no local. No dia seguinte, escove com uma escova bem firme.
• Solado de cordas: limpe-o com terebintina.
• Casca de laranja: limpa o couro, recuperando o brilho.
• Couro colorido: limpe-o com clara de ovo batida em neve.
• Brilho: uma camada de benzina entre as engraxadas dá mais brilho no lustro.
• Sapatos e bolsas claras: passe casca de batata ou leite para retirar as manchas.
• Sapatos de tecidos: limpe-os com álcool, benzina ou querosene.

Calçados molhados

Se a chuva encharcou o seu sapato de surpresa, alguns cuidados devem ser tomados para que o investimento não vá água abaixo.
• Não tente secar no fogo, sol ou calor. Pode deformar o calçado para sempre.
• Encha de jornais amassados para absorver o excesso de umidade e impedir que se deformem, secando na sombra.
• Se o sapato ficou rígido e áspero, esfregue um pano umedecido em óleo de parafina. Se o couro ficou duro, passe uma fina camada de vaselina.
• Se ficarem manchados pela água, espere que seque e esfregue vigorosamente um pano de lã. Depois aplicar graxa incolor e lustrar.
• Camurças não devem ser esfregadas enquanto molhadas. Deixe secar e só então escove ou esfregue lixa fininha.




O meu objetivo nesta matéria é relatar sobre A história do sapato e tambem tirar suas duvidas, se está a procura de informação ou como encontrar o produto ou telefone de contato de empresas sobre: historia do sapato , quem inventou o sapato , historia dos sapatos , história do sapato , a historia do sapato , história dos sapatos , a história do sapato , quem criou o sapato , quem inventou os sapatos , historia do sapatos , leia também:

3 comentários para "a história do sapato"

Carregando formul�rio
  • aiiiiii ameei mto mto mto ...sou loouca por sapatoos....

    ariele

  • =´´[ [çp´[´[ ipçkkui9opuihyjiiopl8iukuo8j

    oijuhuikjuhhji

  • leso

    nanda

Carregando formul�rio "As imagens presentes nesta matéria são reproduções de materiais já existentes. Caso tenha algum direito sobre as mesmas, entre em contato conosco para incluir os créditos ou solicitar a retirada."

Receba notícias no seu
email - Portais da Moda