Marketing e Merchandising - Layout, Design, Vitrine e Iluminação para Lojas

                                   

Vitrine, decoração e Iluminação - Marketing e merchandising. Quais as diferenças?

Marketing e Merchandising - Layout, Design, Vitrine e Iluminação para Lojas
por Cristina Gattai

Layout e Iluminação de ambientes. Foto:Divulgação

Layout e Iluminação de ambientes. Foto:Divulgação

[bloco_link1]

Enquanto o marketing planeja, pesquisa, avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de-venda, o merchandising representa o produto no ponto-de-venda, sua divulgação e apresentação na fase final da venda.

VEJA TAMBÉM:
Saiba porque a vitrine é uma poderosa ferramenta de vendas
Aprenda a definir o tema da vitrine

Enquanto o marketing é um esforço para levar o cliente até a loja, e para aproximar o cliente do produto, o merchandising é o esforço para atrair o cliente que entrou na loja, ou seja, é uma aproximação entre o produto e o cliente o que o torna uma estratégia de marketing nas organizações varejistas.

O merchandising é uma ferramenta utilizada pelo varejo objetivando:
• melhor ambientar a loja;
• a adequação dos produtos às necessidades dos clientes;
• a exposição do produto no ponto-de-venda;
• a caracterização da loja;
• a funcionalidade dos equipamentos;
• a agilidade no atendimento;
• a harmonia do layout para o cliente.

O merchandising é o responsável pelos atrativos e entretenimentos no ponto-de-venda, sendo a relação direta entre o cliente e o produto.
O visual merchandising cria o impulso de compra para o cliente por meio de alguns instrumentos, como design, instalações, layout, produto, iluminação, vitrinas, sinalização.
Nesta edição, abordaremos a importância do design e das instalações.

Design
O bom design define o conceito da loja quanto ao estilo visual e público-alvo. É a união das formas, cores e acabamentos com a escolha dos pisos, paredes e proposta de equipamentos, caracterizando o ambiente em seu espaço de venda. Deve atender às necessidades dos clientes quanto ao conforto e à valorização do produto.
O design do projeto do negócio consiste na união da forma e composição dos materiais de acabamento para definirem o estilo do ponto-de-venda.
O estilo de ambientação de venda deve estar relacionado com a proposta final do negócio, compondo o produto, o cliente e o espaço de venda, caracterizando o estilo como clássico, moderno, high-tech, feminino, masculino, infantil, de alimentação – entre outros.
Produtos requintados exigem acabamentos nobres; produtos arrojados solicitam formas e cores de arrojo; produtos infantis, temas infantis; produtos neutros pedem espaços simples e materiais também neutros.
Uma área de alimentação, por exemplo, precisa transmitir limpeza e higiene para seus clientes. Assim, o projeto de loja deve incluir acabamentos com manutenção fácil e rápida e que proporcione visual de limpeza.
Layout e Iluminação de ambientes. Foto:Divulgação

Layout e Iluminação de ambientes. Foto:Divulgação


Toda loja deve ter um conceito próprio de design, um design com uma linguagem que esteja de acordo com seu público-alvo e com seus produtos.

Instalações
As instalações são os equipamentos, balcões, mobiliários e suportes para os produtos expostos na loja; são também a operação e atuação da própria loja, como proposta comercial.
Os equipamentos e mobiliários devem ser de boa qualidade, duráveis, práticos e versáteis, com possibilidade de ajuste em qualquer área da loja. Além disso, devem estar sempre abastecidos com o limite máximo de sua capacidade.
O mobiliário deve valorizar a exposição e estar de acordo com as necessidades do produto, sua visualização e toque do cliente.
As dimensões dos equipamentos devem seguir os padrões de ergonomia segundo seus objetivos. Por exemplo, balcão de atendimento sentado ou em pé; prateleiras de auto-serviço e outros sistemas.
Os produtos devem estar sempre bem expostos, com apresentação impecável. Não podem estar danificados e suas embalagens devem estar em condições perfeitas.

SAIBA MAIS
Veja dicas para uma boa iluminação da sua vitrine

Cristina Gattai é consultora associada ao Senac Administração e Negócios, professora da PUC/SP e Universidade Paulista e proprietária da Gattai Treinamentos
(e-mail: crisgattai@uol.com.br)


Layout

O layout é o planejamento do espaço da loja. Ë o conjunto da distribuição dos equipamentos com os produtos, dos espaços internos (áreas de apoio, promocional e de circulação) e da iluminação, representado em planta, definindo a operacionalidade e funcionalidade da loja.

Regras básicas de merchandising para um layout adequado:

1) O espaço para vendas deve ser totalmente aproveitado;
2) Os equipamentos devem ser colocados de modo a se conseguir um tráfego de clientes – constante e uniforme – dentro da loja. O ideal é que, ao estar na loja, o cliente possa ver todos os produtos.
3) Na colocação dos equipamentos, deve ser considerada a eficiência na operação e racionalidade da loja.
4) A distribuição dos equipamentos, o agrupamento dos produtos e a iluminação devem proporcionar um ambiente harmonioso e agradável.


Layout e Iluminação de ambientes. Foto:Divulgação

Layout e Iluminação de ambientes. Foto:Divulgação



Produto

O produto é o principal elemento do merchandising.
Deve estar no lugar certo, no momento certo, exposto de forma correta e com o preço correto para ser vendido. Para que isso ocorra, os seguintes princípios devem ser considerados:

1) Apresentação do Produto: é o aspecto fundamental para sua valorização perante o cliente. O produto, no ponto-de-venda, deve ter seu visual perfeito e sua embalagem não pode estar danificada ou amassada.
2) Agrupamento: o agrupamento é a reunião de produtos formando o conjunto, que será colocado na gôndola, prateleira, braço ou arara. O planejamento na análise de proximidade de um produto com outro é realizado por uso final ou por grupos divisionais ou setores.
3) Forma de exposição: a forma de exposição contribui para o equilíbrio visual da loja, tornando-a mais harmoniosa e facilitando o acesso aos produtos. Seu planejamento deve ser realizado considerando-se o grupo de produtos e não linhas de produtos individuais e isoladas. Um produto bem exposto facilita a compra/venda. Quanto mais o cliente se aproximar do produto, tocá-lo, manuseá-lo ou prová-lo, maiores serão as chances dele estabelecer uma intimidade com o produto, sendo estimulado a cobiçá-lo, isto é, a comprá-lo.

A exposição deve ser planejada e para isso devem ser considerados os seguintes aspectos:

a) Dimensão: análise do tamanho do produto (altura, largura e profundidade). A distribuição dos produtos deve seguir a proporção das peças. Produtos maiores ficam melhor acomodados em baixo; peças médias no centro e as pequenas em cima.
b) Cores: as cores desenvolvem a força na apresentação visual. Sua adequada utilização possibilita a valorização dos produtos na loja. O básico de uma utilização de cores é a escala na ordem do mais claro para o mais escuro.
c) Exposição vertical ou horizontal: a escolha deve ser feita de acordo com o melhor aproveitamento de espaço e valorização do produto. Exposições verticais são indicadas para produtos homogêneos na forma e embalagem. As exposições horizontais são indicadas para produtos diversos, diferenciados em formas e embalagens.

Frase
“A exposição valoriza o ato da compra”.

Cristina Gattai é consultora associada ao Serviço Nacional do Comércio (Senac) - Administração e Negócios; professora da PUC/SP e da Universidade Paulista; e proprietária da Gattai Treinamentos.
e-mail: crisgattai@uol.com.br

Layout e Iluminação de ambientes. Foto:Divulgação

Layout e Iluminação de ambientes. Foto:Divulgação



Iluminação e Vitrinas - 3ª parte


Por Cristina Gattai


O Visual Merchandising cria impulso de compra para o cliente por meio de alguns instrumentos como design, instalações, layout, produto, iluminação, vitrinas e sinalização.
Nas duas últimas edições da HG casa, abordei quatro deles: design, instalações, layout e produto. Nesta edição, tratarei de iluminação e vitrinas.


Iluminação

A iluminação é o instrumento que oferece a ambientação da loja. Divulga a área promocional e complementa a valorização do produto. Ela contribui para tornar a loja confortável, convidativa e agradável.

O projeto de iluminação define o tipo e a quantidade de luminárias necessárias para o local. Geralmente, as cores, os acabamentos e os materiais utilizados nos revestimentos são considerados itens exclusivos do design e que, se bem iluminados, proporcionam a uniformidade desejável na loja.

Layout e Iluminação de ambientes. Foto:Divulgação

Layout e Iluminação de ambientes. Foto:Divulgação



Podemos classificar a iluminação em três categorias:

- iluminação geral, distribuição regular de luminárias, proporcionando certo grau de uniformidade da iluminação, não destacando pontos específicos.
- iluminação direcional, dirigida com foco luminoso para um determinado espaço ou produto, proporcionado destaque.
- iluminação localizada, aliada à iluminação geral, proporciona elevado nível de iluminação, mas concentra maior luminosidade em áreas predeterminadas.

Quanto às luminárias estas podem ser:

- sobrepostas sob o forro
- embutidas
- pendentes ou suspensas
- arandelas
- refletores, spots e projetores

Ao escolher lâmpadas, os seguintes critérios devem ser considerados:

- a reprodução de cor (deve mostrar as verdadeiras cores dos objetos iluminados)
- aparência da luz (quente: cores mais amareladas e avermelhadas; fria: cores mais azuladas e brancas)
- fluxo luminoso (a capacidade de iluminação)
- vida média (durabilidade da lâmpada).

Layout e Iluminação de ambientes. Foto:Divulgação

Layout e Iluminação de ambientes. Foto:Divulgação



Vitrinas

A vitrina é a principal área de exposição dos produtos da loja. Representa o estilo, a proposta e o perfil do ponto-de-venda para o cliente. São elas que fazem o psiu.... para o cliente e o convidam a entrar ou a se afastar!

A vitrina estabelece o primeiro contato do ponto-de-venda com o cliente, passando informações de maneira muito rápida e direta. Geralmente, as informações contêm atrativos que o conduzem para dentro da loja.

A criatividade é um dos principais requisitos na organização e arrumação de produtos, e em sua decoração. Em todos os produtos o preço deve estar visível.

A vitrina deve ser cuidadosamente produzida, isto é, os produtos devem ser expostos com planejamento e não simplesmente colocados ou “jogados” de qualquer forma.

Para o adequado planejamento de uma vitrina, os seguintes critérios devem ser considerados:

- Fundo vazado ou tonalidades claras;
- Iluminação dirigida de cima para baixo e/ ou da frente para o fundo;
- Produtos selecionados e novidades do momento;
- Elementos de decoração, compondo o cenário, acompanhando a tendência ou mostrando o uso do produto;
- Informações de importância e valor para o cliente, convidando-o a entrar na loja;
- Utilização de suportes expositores, que valorizem o produto.

Frase:

“A vitrina deve ser cuidadosamente planejada”.

Cristina Gattai é consultora associada ao Senac Administração e Negócios, professora da PUC-SP e da Universidade Paulista, e proprietária da Gattai Treinamentos
e-mail: crisgattai@uol.com.br



A importância da iluminação como suporte de vendas


Por Sílvia Bigoni

Atualmente, no Brasil podem ser encontrados todos os produtos e ferramentas necessárias para o desenvolvimento de projetos de iluminação inovadores e também todas as tecnologias em lâmpadas, equipamentos e luminárias, o que favorece proporcionar concepções de iluminação mais eficientes, funcionais e artísticas.

Uma das mais recentes tecnologias, implantada em projetos de ponto-de-venda, é a dos LEDS, que vem sendo apontada como uma das principais tendências no mercado de iluminação.

Além dos LEDS, as fontes coloridas são muito utilizadas podendo se utilizar aplicação de filtros coloridos ou por meio das próprias lâmpadas, tais como: as dicróicas, as fluorescentes tubulares e as de vapores metálicos. As lâmpadas fluorescentes tubulares coloridas, operando em conjunto com reatores eletrônicos, permitem dimerizações, controle de cenários, de luz e de cor, e total controle dos equipamentos através de softwares de automação.

O decisão de compra é diretamente afetada na utilização da luz artificial branca e a utilização de luzes que alternam de cores . A aplicação destes efeitos pode ajudar a despertar um maior interesse nos clientes e, na maioria dos casos, com redução nos custos de instalação. É a iluminação dinâmica com toque de cores.

Tendências de design

Uma grande tendência é a utilização de sistemas que combinam, na mesma instalação, aparelhos de luz difusa – lâmpadas fluorescentes compactas, fluorescentes tubulares e de vapores metálicos – para iluminação geral com as lâmpadas de efeito – lâmpadas refletoras halógenas e de vapores metálicos – para iluminação de destaque.

Os sistemas modulares embutidos ou os de sobreposição permitem otimizar a integração em qualquer espaço arquitetônico, sendo que os módulos ganham formas e dimensões distintas, atendendo desde grandes lojas de departamento até lojas de roupas, joalherias, óticas e de móveis, entre outras.

As luminárias decorativas e de design se integram nos espaços com total harmonia, deve-se tomar cuidado de se conciliar a característica técnica com o design para se obter o beneficio de ambas.
Outra tendência, esta mais significativa, é a do uso conjunto de aparelhos de luz difusa com sistemas de controles, que criam níveis de iluminação dinâmicos – “luz quente” e “luz fria” – em aplicações nos tetos, com efeito, de luz diurna artificial, e em outras aplicações para paredes e expositores.

Outros sistemas similares que oferecem luz colorida como complemento a ambientação de lojas, e captar a atenção dos clientes são: a utilização de iluminação incorporada nos próprios expositores e também a utilização de elementos arquitetônicos utilizando-se tecnologia de LEDS e de fibra óptica tornando o projeto de iluminação mais rico e aconchegante.

A iluminação como decoração

Em um bom sistema de iluminação, sempre colocamos como prioridade a orientação técnica, que sem dúvida é fundamental para qualquer projeto de iluminação para lojas e cada vez mais estamos tratando a iluminação comercial como uma poderosa ferramenta de marketing.

A iluminação de uma loja deve estar diretamente relacionada à sua arquitetura, decoração e à estratégia de vendas, motivos que cada vez mais levam os profissionais de iluminação a criarem uma verdadeira sinergia com os arquitetos de interiores, com os empreendedores e os demais responsáveis pelo estabelecimento.

Seguindo as modernas técnicas de marketing, o lojista de qualquer ramo, tem algumas considerações que podem favorecer o incremento das vendas na ordem de 20%, 30% e até 40% quando atendidas algumas premissas tais como: melhoria da imagem como fator de diferenciação; criação de um ambiente adequado; despertar o interesse; atrair os clientes; criar disposição de permanecer no ambiente; e criar uma situação de consumo na loja.

Por isso, a soma de idéias entre os projetistas e os projetos dos lojistas permitem a criação dos recursos necessários para garantir que a luz empregada e seus efeitos possam realmente criar facilidades para a venda dos produtos.

Cada tipo de loja requer uma iluminação, que leve em conta a mercadoria comercializada e o perfil do público-alvo.

Por exemplo, uma loja de roupas ou de tecidos precisa de uma iluminação que valorize as cores e texturas do produto. Já uma loja de móveis o que deve ser valorizado pela iluminação é o acabamento que é um dos primeiros itens a serem observados pelo consumidor. Em um estabelecimento de jóias deve se focalizar o brilho.

Portanto, este é um trabalho bastante especifico e que deve ser executado por profissionais experientes, para não se correr risco de se obter um resultado oposto ao esperado.

Um projeto de iluminação leva em conta que 80% da percepção de mundo do ser humano se dá pela visão, tornando a iluminação uma aliada extremamente importante na hora das vendas e é por isto que vem sendo largamente utilizada pelos empresários.

Os supermercados foram os primeiros estabelecimentos comerciais a fazer o uso da luz para valorizar os produtos, especialmente no setor de carnes, com a iluminação valorizando o vermelho, e no de frutas e verduras, enfatizando o verde.

Outro fator a ser ressaltado também é que a alternância da luz direta com a indireta pode determinar comportamentos diferenciados, provocando maior ou menor desejo de consumo.

Destacar a vitrine, a arquitetura da fachada, os produtos, os expositores, a decoração dos espaços internos, enfim todos os detalhes que tornam urna loja atraente aos olhos do público, já não é possível sem a elaboração de um bom projeto de iluminação.

Dentro de um shopping ou na rua Independentemente da localização e do produto comercializado, qualquer estabelecimento necessita de vários efeitos de luz capazes de destacar o ambiente entre os demais e principalmente, precisa chamar a atenção do consumidor, e isto trará como conseqüência um incremento nas vendas.

“Sem a luz, o espaço simplesmente não existe”.

A arquiteta Sílvia Bigoni é consultora da Associação Brasileira da Indústria de Iluminação (Abilux).


Marwan Makdesi

O meu objetivo nesta matéria é relatar sobre Marketing e Merchandising - Layout, Design, Vitrine e Iluminação para Lojas e tambem tirar suas duvidas, se está a procura de informação ou como encontrar o produto ou telefone de contato de empresas sobre: layout de loja , layout de lojas , layout loja , como construir vitrine loja de roupa largura altura profundidade , designer de vitrines para lojas populares como fazer , iluminacao para loja de cosmeticos , layout joalheria , lealt de loja , marketing loja , como decorar um evento de analise de cabelo loja de cosmeticos ,

Marketing e Merchandising - Layout, Design, Vitrine e Iluminação para Lojas

Deixe seu comentário

(Não divulgado)


Informe os numeros:





  • gostaria de saber que tipo de iluminação é apropriada para loja de confecções, pois em minha loja tem acontecido de muitas peças de roupas apresentarem manchas, que acho, são causadas pela luz das lâmpadas (fluorescentes)e depois troquei pelas lampadas.amarelas par 38...mas, noto que tambem desbota as roupas.

    mara gaspar duarte

  • visual merchandising e vitrinista atuo no mercado varejista em projetos de comunicação visual, vitrinas, layout interno, produção de moda palestras, showroom, consultorias e treinamentos, feiras e eventos. buscando soluções personalizadas que vão ao encontro dos nossos clientes.

    anderson lopes

  • boa tarde preciso de ajuda !!! pois tenha uma loja de roupas, mas tenho que aumenta o giro....pois minha loja é localizada em um bairro... o que posso fazer para melhorar sem espantar a clientela . desde ja agradeço.

    roseli

  • olá gostaria de tirar uma duvida estou para abrir uma loja de roupas bolsa e acessórios instalar uma vitrine na loja ou não a loja é de bairro ,qual a vantagem e a desvantagem de uma vitrine por favor me ajudem obrigada

    suzana

  • estou abrindo uma loja de cosmeticos preciso de ajuda com relaçao ao layout e a cor da mesma, esta pintada toda de bco mas quero pintar de outra cor, ou pintar uma so parede de uma cor diferente do bco, o que acha?

    ca gomes

  • boa noite...tenho uma loja de roupas e gostaria de montar uma vitrine bem legal, não tenho conseguido encontrar profissionais nesta área, será que vocês podem me ajudar.

    nibia

  • ótima matéria, trabalho em lojas de eletromóveis, cuido da parte do layout, estou precisando de um curso on line. aguardo resposta

    luciana soldati

"As imagens presentes nesta matéria são reproduções de materiais já existentes. Caso tenha algum direito sobre as mesmas, entre em contato conosco para incluir os créditos ou solicitar a retirada."

Fique por dentro

Cadastre seu email e receba nossas novidades


Fique por dentro

Receba dicas de moda,saude e beleza