Teciteca

A tradução literal de patchwork é “trabalho com retalhos”. A técnica consiste na união de tecidos dos mais variados tamanhos e formatos; cores e estampas; criando a partir desses, um tecido continuo, uma espécie de “colcha de retalhos”. O pachwork é o topo do trabalho ou a parte superior do trabalho (motivo ou desenho anexo), o trabalho completo é o acolchoado, formado pelo pacthwork mais o tecido de fundo, tudo preso pela técnica de acolchoamento ou quilting.

Há registro dessa técnica desde que o homem aprendeu a tecer. Levada inicialmente pelos comerciantes para o antigo Oriente, a técnica viajou com eles para vários lugares. No século XI chegou à atual Alemanha e Inglaterra, onde era usada na produção de túnicas clericais. Os primeiros tapetes e acolchoados apareceram apenas no século XVI, época de Henrique VII, e eram considerados belos presentes de casamento. Na Idade Média os cavaleiros a usavam como proteção, por baixo das armaduras de metal.

A arte de quiltar chegou as Américas em meados do século XVII, mais especificamente no Canadá e Estados Unidos. Na época era comum ver colchas de lã e linho, construídas a partir e medalhões centrais ou tecidos inteiros. Os tecidos eram considerados preciosidades, assim como linhas e agulhas, e eram passados de mãe para filha. Por essa razão a tradição trazida pelos colonizadores persiste até os dias atuais. Uma tradição de 1880 dizia que uma moça só poderia casar após ter confeccionado 12 colchas, sendo a ultima construída a partir de dois anéis de casamento entrelaçados. As colchas com motivos patrióticos e símbolos relacionados à revolução apareceram durante a Guerra da Independência Americana.

As bordas “despedaçadas” e as colchas totalmente em blocos (conhecida como “padrão de cadeia irlandesa”), surgiram em 1795 e 1806, respectivamente. A utilização da máquina de costura caseira (1851) trouxe novidades em blocos e misturas de motivos e desenhos.

A Grande Depressão (1929 a 1939) fez com que o acolchoamento fosse ainda mais valorizado. As quilteiras passaram a aproveitar todo e qualquer tecido disponível. Cortes nos formatos Apple Core (miolo de maça) e triangulares permitiam o aproveitamento total do material.

As revoluções da década de 1960 desvalorizaram um pouco a tradição do patchwork. Porém, em 1979, a empresa Olfa lançou máquinas que facilitavam o corte e o tornava preciso. A partir daí houve um crescimento no interesse pela arte do patchwork. Hoje nos Estados Unidos é um mercado bilionário, chegando a movimentar mais de dois bilhões de dólares estadunidenses. A técnica é encontrada no mundo todo, incluindo o Brasil, Japão, França, e outros países. Por essa razão, grandes indústrias têxteis passaram a desenvolver tecidos especiais para o patchwork. Além de uma forma de economia, essa arte é considerada uma excelente forma de diversão.
FIQUE POR DENTRO

SHOPPING

Fique por dentro

Receba dicas de moda,saude e beleza